Uncategorized

Como não pagar taxas ao importar produtos

Muitos compradores assíduos de produtos importados, sem dúvida, em algum momento receberam alguma notificação sobre o barramento de produtos no setor alfandegário do Brasil. Essa complicação pode causar um pouco de estresse visto que os impostos cobrados em alguns casos podem ser bastante altos chegando até a inviabilizar a retirada do produto (saiba mais: http://attlantis.com.br/academia-do-importador-funciona-ou-e-fraude/.

Apesar de ser uma situação não tão frequente assim devido ao fato de que o número de fiscais que avaliam as mercadorias que chegam a ser bem menor do que a proporção de mercadorias que chegam ao país, é comum que alguns casos os compradores sejam surpreendidos com esse imprevisto.

Por isso, saiba o que é preciso fazer para evitar que esse tipo de situação ocorra e encareça muito a sua compra.

Tamanho e peso

Antes de comprar um determinado produto, é fundamental avaliar as dimensões e o peso do produto. Geralmente, as chances de uma mercadoria grande ou pesada ser taxada é mais alto, por isso de preferência a produtos mais leves e menores.

Essa dica ajudará a aumentar as chances de não ser taxa do setor alfandegário, contudo vale a pena destacar que mesmo assim isso poderá ocorrer em alguns casos.

$50 dólares

Existe uma lei na legislação brasileira que afirmar que produtos importados com um custo de até cinquenta dólares não podem ser taxadas. Por isso, se estiver planejando comprar um produto acima desse valor, certamente irá ter que pagar alguns impostos para conseguir ter a mercadoria.

Muitos consumidores estão cientes dessa lei e para tentar evitar o barramento do produto na alfandega adotam a prática de solicitar ao vendedor que declara o produto com um valor inferior, envie como presente ou até mesmo em uma embalagem totalmente discreta sem símbolos e nomes de marcas.

Como o processo de verificação das mercadorias que chegam é seletiva, poderá funcionar. Essas são algumas dicas sobre como evitar pagar taxas ao importar produtos.

 

 

 

Leave a Comment